Yemanjá Quer Falar Contigo

 
O ar viciado penetra em meus pulmões, ar frio com cheiro de mofo.
O pior de tudo é respirar, causa dor; devo ter água nos pulmões, desta vez eles capricharam, aquele guia telefônico colocado sobre as minhas costas deve ser para a pancada machucar por dentro e não deixar sinais.
Estranho, mas eu consigo rir de tudo isso, tenho no íntimo uma satisfação pessoal, devo estar ficando maluco, estas porradas na cabeça estão me fazendo perder o sentido real dos fatos.
Meu peito sangra e posso ver as queimaduras de cigarros.
Ontem, nem estas eu sentia, mas ressecaram as feridas, e hoje elas doem, deve ser por estarem cicatrizando; Mas sinto nas costas sua dor tenebrante, devem estar um charque.
Que dia será hoje? Lembro-me de ter contado até o oitavo dia, depois perdi a conta.
Sem sol e neste cubículo, sem luz, perde-se a noção do tempo.
Hoje, estou sozinho; esta tática eu já conheço, vão começar a jogar uns contra os outros: “Fulano já falou o que tu estás esperando para abrir o bico? Queres dar uma de macho aqui?”
Tento levantar mas não consigo, minha cabeça pesa uma tonelada, as pernas não obedecem, estou há dois dias sem comer mas não tenho fome, tenho sede.
Barulho do ferrolho da porta principal se abrindo, vieram buscar mais alguns?
Engano, é mais gente chegando, a lotação está completa, começo a rir, lembrando-me dos cobradores do ônibus São José aos gritos “um passinho à frente por favor”. Um passinho onde não cabe nem uma mosca.
Hoje, este pés-de-porco querem dar serviço, ta chegando gente adoidado, parece que vai ter um final de campeonato aqui, a torcida chegando para o Gre-Nal.
Tento dormir, mas não encontro uma posição favorável, tenho machucados e escoriações pelo corpo todo.
Uma barra de ferro é abatida nas grades com violência, causa um horror, é um som terrível aos ouvidos, volto a rir lembrando-me do negão que deu telefones (bater com as duas mãos ao mesmo tempo nos ouvidos) nos meus ouvidos lá no porão.
Duas enormes mãos, parecendo duas raquetes de tênis.
O pior era ter que ouvir a frase, “vou te dar um telefonema  que vai
 
dar excesso de impulso no fim do mês”. Risadas.
Engraçado é nesta situação, a gente ali apanhando, ainda consegue achar graças, de uma piada infame dessas.
Desperto aos gritos: “Vamos merda, vamos guerrilheirinho  pau no cu, hoje eu é que vou te foder, quero ver se tu agüenta pau”.
Sou levado a dois andares acima na presença de uma autoridade ali deixado com algemas nas mãos e pés.
Dois soldados fumam, e à distância sinto o gosto do cigarro, o cheiro da nicotina penetra em minhas narinas, não agüento a vontade de fumar, e peço: “Por favor, dá pra me dar um cigarro?”.
Um, não dá sequer ouvidos para o meu pedido, mas o outro sem interromper o que falava, volta-se e vem com o cigarro, coloca em minha boca e no que abaixa-se para acender pergunta: “Tu não é o Deodé? Sim, sou eu, ou o que sobrou dele”.
Tento fazer uma graça..
O soldado diz: “Eu sou o Chicão de Bará Lodê!”
“Ah! Eu te conheço dos Batuques, tu é filho de Santo da Mãe Eva de Oxum, como vai ela?”
Tento entabular uma conversa.
Bem, me responde ele. E continua.
- Hoje vamos ao Batuque na casa de tua Vó Jovita de Xangô.
Retirou-se dali e ao sair na porta abanou.
O que passaria por aquela cabecinha me vendo ali naquela situação?
Não conhecia nada da vida, tudo o que ele era de infração de trânsito, roubos, drogas, prostituição, assaltos, brigas de vila; mas ver um homem preso por pensar, exigia muito de sua cabeça.
Quando nos encontramos em diversas ocasiões, por mais que eu tentasse, não consegui lhe explicar.
Achava tudo aquilo correto.
Bem, eu tinha conseguido duas belas informações: a primeira, hoje é sábado, a segunda, tem Batuque na Vó Jovita, aniversário de Pai Xangô.
Já tinha duas coisas para encher minha cabeça e me preocupar.
Pode?
No final de semana as torturas foram aliviadas, sabe-se que torturador também tem família e por certo não gostaria de ter as mãos sujas de sangue no domingo, quando iam assar o churrasco para a família, razão pela qual aliviavam no final de semana.
Soube que minha pobre mãe, em sua dor e  inocência,  estivera   ali
 
todos os dias de plantão, trazendo comida, frutas, cigarros e dinheiro, coisa que nunca chegou às minhas mãos.
Pobre mãezinha.
O que fizeste para ter um filho assim?
Segunda-feira. O dia foi agitado com mais gente chegando, movimento de soldados, viaturas, foi um tal de entra e sai naquele quartel.
À noite, todos nós sabíamos, a cobra ia fumar. Ah, se ia fumar.
A pressão na panela estava no limite máximo, eles queriam mais e mais.
Alguma coisa a mais, só que nós não sabíamos o que era, meu Deus, estes infelizes não sabem nem o que querem de nós!
À noite chega, e com ela o horror.
Alguns meninos choram com a chegada da noite, sabem de antemão que o pau vai comer solto.
Vêm os soldados e levam o primeiro grupo de meninos.
Estes já saem em prantos, ouve-se pedido de perdão, desculpas, misericórdia, não sei de nada, não sou eu, o senhor está enganado.
De nada adianta, são arrastados, os mais renitentes sofrem ali as primeiras pancadas.
Passado da meia-noite, os soldados voltam, enfurecidos como selvagens cães de caça.
Alguma coisa não deu certo lá em cima.
Um diz: “Querem o quê? Tão nos cobrando demais e isto vai dar merda, um dia um guri deste apaga aqui dentro e aí quero ver quem segura esta bronca”.
Ouço os gritos de dor e desespero das torturas, tento tapar os ouvidos.
Mas é inútil, parece que tudo está aqui, dentro da minha cabeça, não adianta tapar os ouvidos.
Novo grito, desta vez um grito horrível de um adolescente sendo torturado.
Penso: este não vai agüentar.
- Chegou tua hora Deodé!... Vamos... É eles estavam ali, chegara minha hora.
O interessante é que nunca precisei levantar, pela pressa que tinha de terminar com o serviço, normalmente eu era erguido por dói soldados e conduzido quase no ar, também, com os meus quarenta e oito quilos, menos que um saco de batatas!
Colocado numa viatura com outros presos, procurei saber para onde íamos.
Alguém dia: “É para uma olaria, lá  o  serviço é feito com maestria,
 
tem mais gente para bater e os especialistas em torturar estão lá nos esperando”.
Outro diz: “Não, este caminho eu já fiz, é para a praia, vão fazer arrastão com a gente. “Amarrados numa corda, esta atada a um jipe, éramos arrastados pela beira da praia entre a água e a areia)”.
Chegamos.
Fomos um a um, sendo conduzidos para umas celas improvisadas ali na beira do mar.
Só de estar ali me senti bem, o ar do mar refez o estrago dos meus pulmões.
Quando passou pela minha cela, um soldado deixou cair um pequeno saquinho, não dei atenção, pensei ser lixo.
Mas aquilo me intrigou, deixei passar alguns minutos, levantei-me e, estendendo o braço, consegui apanhar o pacote.
Ali, estava, para minha surpresa, ao abrir vi: primeiro uma guia de Xangô, outra de Bará, e a minha guia de Odé, uma carteira de cigarros, fósforos e um pequeno bilhete com uma única frase: “Yemanjá quer falar contigo”.
Mas, afinal, que diabo de recado era este, o que significaria este enigma?
Conseguiria eu decifrar a tempo?
Escondi o cigarro, as guias não pude esconder, era demais para mim, enfiei no pescoço e ali ficariam para sempre, meus Orixás estavam a me proteger, não estava mais sozinho naquela luta.
O soldado vem para contar os presos: trinta, trinta e um, trinta e dois, trinta e três, trinta e quatro, trinta e cinco... a Yemanjá quer falar contigo, ..trinta e cinco,  sim era este o meu número.
Trinta e cinco repete ele... a Yemanjá quer falar contigo, trinta e seis, trinta e sete, e por aí segue contando.
Mas porque aquele soldado falou que a Yemanjá quer falar comigo?
Mas o que a Yemanjá quer falar comigo?...
Maldição, não consigo decifrar esta incógnita, me esforço e cada vez confunde mais minha cabeça.
A Yemanjá quer falar contigo.
Mas, afinal., o que quer esta mãe comigo?
Madrugada quente, nem a brisa que vem do mar refresca nossos corpos doloridos das torturas, banho nem pensar, não pelas águas do mar, mas pela ardência que seria o contato do sal com as feridas abertas.
Somos retirados a socos e pontapés de dentro das celas.
O  pelotão  de  soldados  é enorme, vários jipes estacionados ali em
 
frente a nos esperar, era uma tática estes deslocamentos, um meio de desorientar, nunca subíamos onde estávamos.
Vai ser uma viagem longa, o caminho é a beira-mar.
Enquanto caminho, vou pensando naquela frase: “A Yemanjá quer falar contigo”.
Sou do grupo da frente, caminho mais rápido, quando levo uma pancada na cabeça, ao cair, volto-me para ver quem me atingiu e vejo ele ali, o Chiucão de Bará Lodê, virado numa fera, me agarra e me enche de porrada: “Este infeliz é meu, todo meu que eu quero estuprar este desgraçado”.
Mais porradas.
Os outros seguem, eu fico ali para embarcar no último jipe.
Seguimos viagem em comboio, um jipe atrás do outro.
Somos os últimos.
Surpreendi-me ao ouvir uma reza de Batuque, cantada pelo motorista: “É doce mobé yará oro, é doce mobé yará oro, ai Yemanjá cumará cumará oro, é doce mobé um ara orô”.
Calma soldado, esta reza eu conheço: Esta reza simboliza que Mãe Yemanjá dança com Odé no colo, para fazê-lo dormir.
Senti vontade de responder a reza.
Só não o fiz por medo de constrangê-los.
Sim, agora sei quem dirige este jipe.
Sim agora decifrei a mensagem.
Agora eu sei o que a Mãe Yemanjá quer falar comigo.
Interessante, todos os outros soldados respondem a reza, sim, todos eles eram irmãos de religião, sim, irmãos de Batuque.
Paramos e a gritos e tapas descemos, desta vez para urinar.
Fui tirado para a lateral do veículo e ocultado por três soldados, enquanto os outros prisioneiros voltavam para o interior do jipe.
O motorista vem ter comigo.
O meu irmão de religião, o Chicão de Bará Lodê, segurando meu rosto com as duas mãos diz: “Tua Mãe Yemanjá quer falar contigo, Deodé, foge porque deste passeio ninguém vai volta”.
O jipe parte cortando a madrugada, as luzes da traseira são dois olhos vermelhos que se perdem dentro da noite, os olhos de Bará Lodê.
Lá, à beira-mar, um pequeno barco de pescadores me aguarda, o barco de Mãe Yemanjá.
Ali as lágrimas se confundem na dor e agradecimento.
Corri para o mar.
Sim, o mar de Mãe Yemanjá.
Pois ela queria falar comigo.
Comments